Notícias
Melhor fonte sobre a atriz Anna Kendrick

18.10.2016
Ben Affleck admira Anna Kendrick: “Ela é muito talentosa e honesta”
3
Entrevista, Filme

O ganhador do Oscar Ben Affleck dize que admira muito sua co-estrella de “O ContadorAnna Kendrick, ela é muito honesta e muito real como atriz. O ator de 44 anos elogiou Kendrick, dizendo que ela é uma daquelas atrizes, que sempre tentam fazer algo novo e muito diferente em suas cenas.

“Anna é muito talentosa e muito honesta e muito real como atriz. Ela é um daquelas pessoas que trazem um energia tremenda, autenticidade e honestidade para cada sena que ela está.

“Ela parece não saber jogar notas falsas, então ela é uma grande prova de fogo para ver se a cena irá ou não funcionar. Você pode estar se divertindo fazendo alguma coisa, mas quando está perto da Anna se torna muito evidente rapidamente se está certo ou não. Definitivamente se destaca,” contou Affleck.

Affleck revelou que queria trabalhar com a atriz de 31 anos, já que a admira tanto.

“Inclusive antes desse projeto, admirei muito a Anna e estava realmente esperando a oportunidade de trabalhar com ela. Por isso, eu estava encantado quando ela assinou esse projeto – exceto que, já sabe, eu estava um pouco preocupada se ela ia terminar com a conta do twitter.”

O filme, dirigido por Gavin O’Connor conta a história de um menino de uma pequena cidade, Christian Wolff (Affleck), que trabalha como contador independente  para algumas das organizações criminosas mais perigosas do mundo.

Falando do seu personagem no filme Affleck contou, “Christian é autista, e as formas que ele ressoa era semelhante a de todos os outros, não necessariamente as maneiras em que ele era diferente.”

“O autismo pode significar uma milhão de coisas diferentes; ele é só um personagem que existe em uma aspecto de pessoas que tem o que alguns chamam de incapacidade e outros chama de habilidades especiais. E as habilidade especiais que Christian geram alguns desafios reais a ele para tratar de chegar a funcionar na vida.”

 

Fonte: The Indian Express

 

17.10.2016
“O Contador” lidera bilheteria nos EUA
2
Filme

Previsto para estrear na próxima quinta, dia 20 de outubro, no Brasil, “O Contador” começou com o pé direito nos EUA. O filme conseguiu arrecadar US$ 24,7 milhões em seu fim de semana de estreia. O dobro do segundo lugar, a comédia “Kevin Hart: What now?”.

O Contador” teve custo de US$ 40 milhões e traz Ben Affleck no papel de um sábio e autista professor de matemática e especialista em armas, que acaba trabalhando para organizações criminosas. Anna Kendrick, J.K. Simmons, John Bernthal, Jeffrey Tambor e John Lithgow também estão no elenco.

A crítica, até o momento, tem se mostrado surpresa já que a expectativa do filme não era a das melhores.

16.10.2016
Fotos: Anna Kendrick em evento no Mohegan Sun
4
Evento, Fotos

Anna Kendrick foi à Uncasville, em Connecticut, para participar da festa de aniversário de 20 anos do hotel e casino, Mohegan Sun.

A atriz posou rapidamente no red carpet e concedeu entrevistas para alguns portais.

Confira as fotos:

16.10.2016
Novo clipe de Trolls e entrevistas com Anna Kendrick
3
Entrevista, Vídeo

Com a promoção intensa de The Accountant e Trolls, não param de sair vídeos promocionais e entrevistas com o elenco dos filmes.

E como nossa Anna Kendrick está em todas, o volume de informações é muito alto.

A Press Tour de ambos os filmes está divertidíssima! Já tivemos Anna e Ben Affleck divulgando seus interesses em determinados filmes – Anna como Robin em Batman e Ben em Pitch Perfec-, Anna e Timberlake encarando o desafio AlphabetiCall e auxiliando um youtuber a cantar, entre outros vídeos maravilhosos!

Então, segue abaixo os clipes e entrevistas que saíram durante a semana:

Clipe

Entrevistas | Trolls

Entrevistas | The Accountant

11.10.2016
Fotos & Vídeos: Anna Kendrick na premiere de “The Accountant”
7
Fotos, Première, Vídeo

Anna Kendrick marcou presença hoje, 11, na premiere mundial de “The Accountant“, em Los Angeles.

A atriz passou pelo black carpet com um vestido Moschino preto. O evento aconteceu no Chinese Theatre.

“The Accountant” estreia nos Estados Unidos no dia 14 de outubro. No Brasil, “O Contador” estreia no dia 20.

Confira as fotos e vídeos abaixo:

FOTOS

VÍDEOS | RED CARPET

ENTREVISTAS

EXTRA

Finalmente, foi liberado o vídeo da press de “The Accountant” em que Anna Kendrick fala sobre o filme.

Assista:

10.10.2016
Anna Kendrick será destaque da ELLE Magazine US de novembro
3
Entrevista, Revista

Anna Kendrick será uma das oito capas da edição de novembro da revista ELLE.

Esta é a 23º edição do “Women in Hollywood” que resulta em destacar as estrelas que brilharam nas telas americanas durante o ano.

Confira um pequeno trecho sobre a Anna:

“Às vezes parece que estou em um enigma, em um daqueles quartos cheios de portas. E fico tipo, porque continuo a abrí-las? Mesmo que o que tem por trás delas, é algo um pouco chato, eu prefiro descobrir o que tem lá. Eu acho que seria difícil pra mim saber se eu realmente deveria tirar uma folga ou focar em alguma outra coisa, porque eu fico tão agradecida que eu fico querendo abrir aquela maldita porta.”

SCAN

Behind The Scenes

10.10.2016
Anna Kendrick: “Ele não estava muito afim de mim”
4
Entrevista, Livro

A Glamour publicou em sua edição de Novembro, um trecho do livro da Anna – “Scrappy Little Nobody”.

Confira a tradução e scans abaixo:

TRECHO

Nós todos já passamos por isso – até Anna Kendrick. Ela compartilha sua história trágica de amor nessa entrevista exclusiva sobre seu novo livro, Scrappy Little Nobody.

No verão que eu fiz 21 anos, eu namorei um músico pelo qual irei chamar de Connor. Bem, eu achei que ele era músico e achei que estávamos namorando. Já ele, achava que ele era um escritor que ocasionalmente tocava música e que estávamos somente “nos pegando, e não assumindo nada, pois assumir um namoro causa drama”. Ele tinha 28 anos e era um pouco introvertido. Quer dizer, ele era profundo e artístico e provavelmente me julgava por falar tanto como eu falo. Quando terminamos, eu percebi que na verdade ele era um chato – e mais uma vez, provavelmente me julgava por falar tanto.

Mas antes disso, eu conversei muito com amigos que parecia algo como: “você acha que eu sou ansiosa demais?”
“Talvez? Porque você simplesmente não liga pra ele por um tempo e espera que ele te procure?”
“Bom, se eu jamais tivesse ligado, nunca mais teríamos nos falado.”

(Oh, Anna, tão doce)

Quando começamos a sair, eu tinha 20 anos. Ele tocava em bares a noite, o que significaria que ficaríamos a maioria das noites separados, e daí me chamaria para ir a casa dele, assim que ele terminasse seu show. Eu sabia que não seria somente para transar, pois o que nos separava era somente a lei; uma identidade falsa estava fora de questão, pois eu parecia uma menina de quinta série no meu melhor dia. Chegou um momento que tudo o que eu não queria era levar um fora antes de completar 21 anos – porque daí eu seria capaz de realmente transar com ele. Oh Deus, dói até para escrever isso.

Olhando para trás, é dificil de entender o que eu estava fazendo. Porque eu estaria forçando alguém que não tinha interesse nenhum em mim? E nem nos divertíamos juntos; o cara não gostava de mim, ele só me tolerava. Eu acredito que a resposta mais fácil é que eu ainda não tive um relacionamento de verdade, por isso eu achei que implorar por um cara legal e atraente era o objetivo. Nós teríamos feito um casal terrível, mas a indiferença dele me cegou para todas as bandeiras vermelhas. Ele dirigia uma BMW, mas dormia em uma banheira. Ele assistia History Channel como se fosse uma fonte de informação de extrema importância. Parte de mim sabia que eu estava tentando trazer ele para perto de mim porque ele estava resistindo, mas a ideia de reconhecer a rejeição dói mais que um relacionamento forçado.

Eu estava tão nervosa quando nos conhecemos (e ficava mais nervosa ainda quando eu tentava chamar sua atenção) que como resultado disso tudo eu não tinha nem ideia de como eu me portava quando estava ao seu lado. Se eu pudesse ver alguma gravação de quando interagíamos, eu duvido que eu me reconheceria. Quem era aquela pessoa que estava tentando fazer com que ele se apaixonasse? Minha estratégia era que eu sempre concordasse com tudo. Eu tinha essa fantasia de uma pessoa forte que vivia em um universo paralelo, mas quando eu estava com ele eu me transformava em alguém inofensiva.

Quando ele me dizia algo como “você usa o humor como mecanismo de defesa,” eu devia ter respondido, “sim, e você usa sempre argumentos sujos que deixa você manter esse senso de superioridade como um péssimo mecanismo de defesa.” Ao invés disso, eu acabei decidindo ser mais séria dali por diante.

Nós nos víamos esporadicamente. Às vezes eu mandava alguma pequena mensagem e esperava o dia inteiro olhando para o telefone com a esperança que ele me ligasse para me chamar para sair. Nosso grupo de amigos saía junto algumas vezes na semana, e eu acabava indo para casa dele depois, e isso fez com que eu não perdesse nenhuma saída com o pessoal naquele verão. Chegou um momento que o grupo já estava impossível de aguentar; hoje eu sei que saía com eles para ficar perto de Connor. E também eu não sei se por causa de um sexo incrível fez meu desespero ficar mais patético ou menos, mas eu não sei se isso fez parte.

Ele teve alguns problemas profissionais e acabou se abrindo para mim a respeito de suas inseguranças e medos. Isso é incrivel, eu pensei feliz da vida enquanto o abraçava.

Algumas semanas depois, ele ainda estava se sentindo pra baixo. Para animá-lo, eu ofereci para ele vir até minha casa e fiz um café da manhã para ele. Isso era um gesto para que ele se sentisse cuidado, sentisse que alguém realmente estava se preocupando com ele e também como eu sabia que ele estava sem grana, ele iria gostar de comer alguma coisa e levar alguma comida para casa. Ele me ensinou como fazer o seu burrito favorito para o café, e eu fui até o mercado próximo ao meu apartamento para comprar tudo o que precisávamos. Normalmente eu andava até lá todos os dias para comprar uma barrinha de cereal. Nesta vez, quando eu estava no caixa para pagar, e atendente viu a cestinha – com tortillas, ovos e temperos – e disse, “vai tentar alguma receita nova?”

“Sim..” eu logo pausei. “Eu vou fazer café da manhã para o meu namorado.” Qual era o problema em falar isso né? Diferente dos meus amigos, essa garota não tinha como saber se eu estava só brincando ou não. Ela simplesmente balançou a cabeça. Sim, eu achei uma graça.

Eu fiz o café da manhã, e ele ficou bem agradecido, mas não como eu imaginei. Ele tinha algum lugar para ir naquela tarde, então nós dois saímos de casa. Eu estava no carro, esperando para dobrar a esquerda, quando meu telefone tocou. Era ele! Ele nunca me ligou primeiro! Eu peguei o telefone do porta copos. “Oi seguidor, não consegue me deixar um minuto sozinha?” “Muito engraçado Anna, ótima jogada.”

“Eu estava bem atrás de você. Você está fazendo a coisa que eu mais odeio – quando a pessoa vira a esquerda sem precisar parar e sem dar sinal, e ninguém entende porque a pessoa parou. Eu tive que dar a volta no seu carro.”

Eu achei que ele estivesse ligando para agradecer pelo café da manhã, ou para me falar algo engraçado que ele tinha visto e o fez lembrar de mim, ou até que tivesse sido legal me ver e que queria me ver naquela noite de novo. Mas não. Ele estava me ligando para criticar a forma que eu dirijo.

Por que eu estava querendo passar cada vez mais tempo com essa pessoa?! Eu ainda tenho problemas com essa parte da história, porque eu odeio admitir que eu realmente esqueci de dar o sinal; e isso só mostra o quão retardada eu era.

Quando eu finalmente fiz 21 anos, a dinâmica não melhorou. Connor começou a mostrar interesse em uma menina chamada Erika, e eu sentia ele cada vez se afastando mais de mim. A próxima vez que tentamos conversar sobre o que estávamos fazendo, ele pareceu estar em um debate com si mesmo no estilo Gollum/Smeagol na minha frente: “Bem, nós nos damos bem… e eu não estou querendo dizer que eu quero estar com outra pessoa neste momento…mas eu não quero perder alguma outra oportunidade.” Eu deveria ter gritado, “Eu sou a oportunidade, seu idiota.” Mas eu me segurei e me convenci de que eu não precisava namorar naquele momento. Antes de eu ir embora, eu pelo menos fiz uma última pergunta.

“Ok, mas eu preciso perguntar…Erika…é alguém que eu tenha que me preocupar?”

Ele franziu a sobrancelha. “Erika? A morena? Não, não, eu nem sinto atração por aquela menina. – Eu acho que ela tem namorado.” Foi o suficiente para mim. Eu percebi que ele tinha alguma esperança com ela, ele jamais chamaria ela de “aquela menina”. (Sim, leitor, eu sei que você sabe onde essa história termina. Você é melhor que eu em tudo.)

Algumas semanas depois, Connor terminou comigo. Eu chorei. Muito. Era totalmente embaraçoso. O que aconteceu comigo? Essa cara obviamente não estava nem aí pra mim, na verdade nem estávamos realmente juntos, e eu estava me portando como um esposa acabada que tinha acabado de levar um fora um dia antes do casamento.

Ele foi sensível sobre o término, com uma menina que se dizia bem, pois estávamos somente nos divertindo. Nos dias que se passaram, a ideia de ter levado um fora, estava dando lugar para o alívio. Afinal, isso poderia ter se estendido por sabe Deus quanto tempo – ser ignorada, estar disponível sempre, jurando que eu estava ótima com tudo aquilo, muito nervosa por pressionar o status de namorada. Eu estava mais brava comigo do que com Connor. De alguma forma, ele viu que eu estava investindo no relacionamento mais que ele, e provavelmente se perguntou se não deveria ter terminado aquilo tudo nas primeiras semanas. Por outro lado, eu não posso culpar o cara por acreditar em mim (na verdade, fingir que acreditava em mim) quando eu insistia que estava feliz deixando as coisas andarem devagar.

Eu saí da cidade por algumas semanas, para filmar um filme independente em Indiana. Depois de trabalhar um dia inteiro, eu entrei na minha conta no MySpace usando a internet super lenta do motel que eu estava hospedada. Eu me segurei por uns dois dias para não stalkear e me presenteei em ver Connor e as pessoas que tínhamos em comum.

Nos filmes, a menina que leva um fora normalmente descobre sobre a nova namorada somente com uma foto: o cara e a nova namorada sorrindo em uma caminhada ou se beijando em uma festa. Eu descobri porque Erika escreveu um post sobre isso. No seu MySpace, ela escreveu um monte sobre este novo cara que acabara de entrar em sua vida. Ela incorporou no texto, trechos das musicas dele. Você não saberia as letras, mas imagine se Paul McCartney tivesse uma nova namorada e ela escrevesse algo do tipo: “Eu sabia que se eu caísse, seria em uma longa estrada, mas você quer saber um segredo? Eu preciso dele 8 dias por semana, porque tudo o que você precisa é amor.”

Eu achei que meu cérebro ia me enlouquecer. Graças a Deus que eu implementei um “não interessa o quando chateada você está, durma” e isso se tornou um conflito interno. Eu escrevi uns 10 emails para ele e deixei no rascunho. Eles iam de emails de 2 páginas até um só dizendo: UAU. Eu dormi e não mandei nada.

Meus pobres colegas em Indiana, jamais souberam como essa história terminou. Eles não tinham a obrigação de me animar, mas nos dias que eu estava mais pra baixo, o diretor falava: “Meu colega em LA me falou que tem uma prostituta sem dentes chamada Erika que fica atrás de uma lixeira, e ela oferece masturbação por um dólar, mas ninguém nunca quer.

“Você está certo, ela é muito bonita para ser uma prostituta sem dentes que cheira a rato morto.”

É incrivel como algumas maldades acabavam aquecendo meu coração. É uma estratégia que eu seguia, talvez quando meus amigos passavam por um problema parecido. Eu sei que é infantil e sem sentido, mas você tem o direito de ser um pouco cruel quando leva um fora.

Recentemente alguém que conhece a Erika, mencionou ela pra mim. Eu gritei: aquela vaca! “Você sabia que ela ainda acha que você está furiosa com ela”, este meu conhecido falou. Isso me deixou um pouco em silêncio. Ela ainda pensa o que? Como ela sabe de mim? Eu tinha 20 anos, uma menina pequena que ela viu uma vez. De repente eu me toquei, meu Deus, eu não estou furiosa com ela. Eu realmente não estou. Eu na verdade nem tenho sentimento algum por ela. E pra falar a real, eu nem sei se eu a reconheceria se a visse. Oh, olá, ser humano dimensional, você está livre para sair do meu cérebro agora!

Foi uma grande lição para minha enorme capacidade de guardar mágoas. Eu faço isso tão bem, que eu nem notei que isso estava acontecendo. Eu andei com esse ressentimento por anos até que alguém tocou no assunto e eu pude dizer: “Meu Deus, isso ainda está assim? Vamos nos livrar disso. E jogar fora essa ideia de que assistir os meninos jogarem vídeo game é divertido.”

Eu precisei de um tempo para pensar quem mais estaria nesta categoria de falso inimigo. Eu listei um número de pessoas que em teoria eu quis jogar um pedaço de carne crua na cara. Você, meu colega de 10 anos atrás, que me deve tipo 3.000 dólares? Isso foi a 10 anos atrás! Você era viciado em OxyContin. Vai! Seja livre! Minha professora da sétima série, que me disse que a maioria dos atores mirins, não fazem sucesso depois de adultos? Você só queria me assustar e fazer com que eu tivesse um plano B. Boa sorte! Tori da quarta série, que me acusou de escrever várias coisas ruins sobre nossos amigos na parede do parquinho? QUEIME NO INFERNO, TORI. EU SEI QUE FOI VOCÊ QUEM ESCREVEU AQUILO! Eu ainda estou trabalhando tudo isso.

SCANS

FONTE: Glamour

09.10.2016
Fotos & Vídeos: Anna Kendrick no EXTRA TV
3
Entrevista, Fotos, Vídeo

Após participar do programa “Good Morning America“, Anna Kendrick deu um pulo nos estúdios da EXTRA TV para falar sobre The Accountant.

Confira as fotos e a participação da atriz:

Fotos

Vídeo