Anna Kendrick sobre se casar jovem: "Oh, Claro que não!"
Anna Kendrick Brasil
Melhor fonte sobre a atriz Anna Kendrick

Anna Kendrick sobre se casar jovem: “Oh, Claro que não!”

edit8

Anna concedeu uma entrevista para a Cosmopolitan durante o TIFF, no Canadá, e falou sobre “The Last Five Years”, se casar jovem e muito mais.

Confira essa entrevista descontraída e na íntegra logo abaixo:

“Quando meus amigos começaram a casar com, tipo, 24, eu fiquei tipo, ‘Por quê? Qual é o problema? Você precisa do green card?’”

Anna Kendrick não queria reviver o gênero de filme musical; foi apenas algo que aconteceu ao longo do caminho em eu crescimento ao estrelato. A estrela de Pitch Perfect tem nada mais nada menos que três novos musicais em seu bolso: o tão aguardado Pitch Perfect 2, uma tomada há muito aguardada em Into the Woods de Stephen Sondheim (em que ela vai encenar Cinderella), e a versão cinematográfica de Jason Robert Brown, a querida, The Last 5 Years, que estreou ontem à noite no Toronto International Film Festival.

A adaptação de Richard LaGravenese do musical da Brown estrela Kendrick e Jeremy Jordan como um casal no final do relacionamento, contada em narrativas de duelo. A Cathy de Kendrick conta sua história destruidora de corações em sentido inverso, enquanto o Jamie de Jordan conta a partir de um início muito promissor. Nós já sabemos o final do filme nos minutos iniciais, mas isso não dilui o poder do filme – que é um verdadeiro musical; apenas um punhado de linhas é simplesmente falado – e isso certamente ajuda Kendrick por sua vez, em um de seus papéis mais agitados emocionalmente até agora.

Kendrick falou com a Cosmopolitan.com na manhã seguinte à estreia mundial sobre deixar sua co-estrela bêbado, porque Cathy e Jamie foram “condenados”, e o que ela pensa sobre se casar jovem.

Eu li que você e Jeremy se conheceram ao beber juntos.

Sim, nós bebemos. Eu me sinto como uma má influência, porque ele é um ótimo menino, e ele tem essa deslumbrante e linda esposa e eles são tipo o casal mais perfeito do mundo. E eu fiquei basicamente assim: “Nós não temos muito tempo, temos cinco anos que temos que aprender, então vamos apenas fazer merda, ver o que acontece.”.

Onde vocês foram?

Nós fomos a um bar chamado Slightly Oliver, perto de onde eu estava hospedada [em Nova York] – porque eu estava ficando no quarto de hóspedes de Richard no momento. Foi durante os ensaios. Então, nós apenas fomos a um bar na esquina. Começamos bem civilizados e daí foi tipo, “Você sabe o quê? Só temos que fazer isso!”

A história do filme é muito relacionável ​​com quem já esteve em um relacionamento de longo prazo, mas particularmente para pessoas criativas que tiveram relacionamentos com outros tipos criativos. Isso apela pessoalmente para você?

Todo mundo que eu conheço que ouve isto tem 10 exemplos de como “Eu estive nesse exato argumento” ou “Eu tive essa mesma conversa” ou “Eu conheci o meu namorado, é exatamente como nos sentimos.” Acho que todo mundo tem seu próprio tipo de via para relacionamentos – não é uma daquelas coisas que eu tinha que cavar tão fundo para encontrar semelhança ou inspiração.

Este é o tipo de filme em que você sente que precisa escolher um lado entre os personagens?

Bem, como Cathy, obviamente, eu estou do lado de Cathy, porque você não faz escolhas que são intencionalmente ruins e você não sabota e prejudica intencionalmente as pessoas e a si mesmo [como Jamie fez]. Mas, como Anna, foi muito importante para mim, mostrar que Cathy era culpada e, embora no papel Jamie cometa mais transgressões, isso foi apenas uma relação condenada, e esta não é a história de uma menina e seu marido terrível; é apenas a história de um relacionamento que não era para dar certo.

Você sente como eles foram condenados?

Sim, eu sinto. Obviamente circunstância é sempre um fator, mas eu acho que eles estão condenados porque eles se apaixonam muito jovens e estão se tornando adultos muito rapidamente. Normalmente, não é assim que funciona, mas no caso deles, o dinheiro e o apartamento vêm antes da maturidade emocional, e então você meio que corre até a idade adulta e você fica tipo, “Oh, eu realmente não tenho as ferramentas de comunicação para trabalhar neste relacionamento com você.”

No filme, eles nunca tentaram a terapia ou qualquer coisa assim. Você acha que poderia ter ajudado?

Talvez. Mas eu não conheço muitos jovens de 27 anos [que] consideram terapia depois de quatro anos de relacionamento. Há uma ingenuidade real, e apenas uma teimosia – quem sabe se a terapia teria ajudado? Eles não estavam preparados para fazer o trabalho, então eu não acho que a terapia teria ajudado.

Cathy e Jamie se casam quando eles são muito jovens. É algo que é assustador para você ou você sente que é mais romântico?

Bem, a coisa louca é, como alguém me apontou ontem, eles não são tão jovens. Eles se casam, acho que em torno de 25. Mas, para mim, isso é uma loucura. Isso é crazytown. Mas alguns jovens de 25 anos são emocionalmente prontos para isso… Eu não acho que Jamie e Cathy são. Eles acham que tudo vai ser emocionante para sempre e realmente não sabem como lidar com os problemas que vão aparecendo.

Mas para você, casar tão jovem é um ‘não’?

Oh, claro que não, oh meu deus. Bem, meus pais se casaram tarde, então eu só assumi que as pessoas nem sequer pensam em casamento até que eles estivessem em seus 30 anos. Quando meus amigos começaram a se casar com, tipo, 24, eu ficava, “Por quê? Qual o problema? Você precisa de um green card? Que está acontecendo?” Eu estava bem confusa.

Quando você faz um filme como este, que é tão relacionamento-intenso, ele faz sangrar sobre a forma como você se sente sobre seus próprios relacionamentos?

É difícil dizer. Eu vivi com o material por tanto tempo. Eu certamente espero que haja algo para tirar a partir dele, e ele não está ali só para fazer você relembrar de amores passados ​​ou perdas passadas. Para mim, a lição é sobre, mesmo se você não estiver com alguém por toda a sua vida, há valor em todas as relações, e é uma pena que Jamie e Cathy não desfrutaram seu tempo juntos e honraram uns aos outros. Porque é possível estar em um relacionamento e que o relacionamento termine e ainda se sentir incrivelmente grato e alegre sobre o tempo que você teve com alguém. Essa é a coisa que eu tiro disso.

Assistindo o filme como um observador, como você se sente no final do filme?

É um final mais tradicionalmente triste, mas acho que os dois vão ficar bem. É como aquela piada do Louis CK: O divórcio não é, na verdade, uma coisa ruim. Nunca, jamais, um casal que esteve profundamente apaixonado teve que se divorciar – só as pessoas que param de amar. Então, é como, eles não estavam mais apaixonados, por isso é provavelmente uma boa coisa que eles não estejam juntos.

Fonte: Cosmopolitan

Deixe um comentário

Visite nossa galeria